Como usar as Normas EpiDoc

2020-10-13

EpiDoc é um colaborativo informal, de projetos e pesquisadores que trabalham com documentos fonte antigos em Text Encoding Initiative (TEI) XML, que produz recomendações, ferramentas e boas práticas para o processamento digital e a publicação de tais textos. A página do EpiDoc na web se encontra em http://epidoc.sf.net.

O presente documento, as Normas EpiDoc, é resultado do trabalho contínuo da comunidade EpiDoc ao longo de diversos anos. Ele descreve a forma de codificar as diversas características de documentos epigráficos e em papiro, baseado nos princípios centrais de edição de textos acadêmicos (por exemplo, as chamadasLeiden Conventions para os elementos de transcrição, e modelos de dados como o Electronic Archive of Greek and Latin Epigraphy (EAGLE) para os elementos descritivos e históricos). As normas devem ser utilizadas em conjunto com o EpiDoc Schema, que valida os documentos marcados de acordo com estes princípios, e os EpiDoc Example Stylesheets, que tentam fornecer uma versão básica de cada elemento descrito.

As Normas EpiDoc não tentam dar a explicação completa de como montar um projeto EpiDoc, como gerar um site, construir mecanismos de busca ou outras tarefas tecnológicas necessárias para a publicação de textos codificados online. EstasNormas também não são uma introdução completa à epigrafia ou papirologia; elas são, exclusivamente, um guia para a codificação XML dos elementos de edição de texto de documentos antigos que são mais frequentemente necessários em epigrafia e pesquisas similares.

Apesar de não existir uma convenção única para a estruturação de edições epigráficas ou em papiro, as Normas EpiDoc (e as EpiDoc Stylesheets - Folhas de Estilo EpiDoc) fazem uso de enfoque utilizado pelos modelos de dados utilizados por projetos e colaborações como o Advanced Papyrological Information System (APIS), EAGLE, e Programme d’enregistrement, de traitement et de recherche automatique en épigraphie (PETRAE). Como a área de epigrafia, de um modo geral (e epigrafia digital em particular), já possui modelos rigorosos de boas práticas na estruturação de suas edições, nós simplesmente recomendamos a codificação em TEI XML dos mesmos dados e observações que os pesquisadores já consideraram úteis ou essenciais na prática.

As Normas EpiDoc têm a intenção de complementar as Leiden Conventions (a partir de agora chamadas apenas de "Leiden"), que já estão em uso na epigrafia e papirologia por mais de 80 anos e são conhecidas em muitos campos filológicos e documentais. As Normas partem do princípio que Leiden é uma base adequada para as distinções intelectuais registradas em uma edição de texto pré-moderno, e baseiam suas recomendações e exemplos nestas distinções sem requerer as convenções tipográficas e siglas específicas recomendadas nas Leiden. Isto significa que EpiDoc procura registrar com clareza, em XML, intervenções textuais como um suplemento do editor para caracteres perdidos por dano, mas não especifica que tais suplementos devam ser escritos dentro de "colchetes" ("[" e "]") no próprio XML ou em qualquer outro produto derivado. Dito isto, é o comportamento padrão das Folhas Exemplo de Estilo EpiDoc produzir uma renderização em Leiden de textos codificados em EpiDoc. Muitas vezes, é possível registrar distinções em TEI que sejam mais sutis ou mais profundas que em Leiden, e algumas destas possibilidades estão descritas aqui, mas estas Normas não recomendam substituir práticas padrão de epigrafia ou papirologia por estes novos princípios.

As Normas produzidas e recomendadas pela comunidade EpiDoc representam um subconjunto e um refino das TEI Guidelines (Normas TEI), que recomendam a codificação XML de uma ampla variedade corpos de textos literários e históricos. Da mesma forma que EpiDoc é uma especialização para o TEI de objetos e documentos antigos, recomendando apenas aqueles elementos, atributos e objetos de valor para esta subcomunidade específica, as Normas EpiDoc têm a intenção de complementar (de forma alguma substituir) as Normas TEI . As seções de referência e técnicas do TEI, especialmente, permanecem como recursos valiosos para os usuários do EpiDoc, que muitas vezes vão achar úteis as listas de elementos, as explicações de valores de atributos ou de tipos de dados e os exemplos de uso em uma grande variedade de contextos e a extensa descrição em prosa dos elementos de marcação. As Normas EpiDoc recomendam um conjunto bastante restrito de elementos, modelos de conteúdo, atributos e valores TEI, tanto que um arquivo EpiDoc é também um arquivo válido TEI, mas nem todo arquivo TEI é válido para o EpiDoc. Nas áreas onde as Normas EpiDoc são mais restritivas que as TEI, as primeiras devem suplantar as segundas; mas nas situações onde as TEI entram em maiores detalhes ou oferecem um espectro maior de exemplos, deveriam, é claro, ser consultadas e consideradas a fonte canônica para todo o uso EpiDoc.

Estrutura e Características das Normas EpiDoc

Existem diversas vias de entrada para cada página que compõe o corpus das Normas EpiDoc .

  • Três índices principais agrupam todas estas páginas dentro das categorias: Transcrição (os elementos relativos a conteúdo, aparência, restauração e interpretação básica do texto em si);Dados de Suporte (incluindo a descrição do objeto ou manuscrito, a história do objeto e de sua descoberta, informação bibliográfica ou outra informação editorial); e Vocabulário e Indexação (termos e características marcadas no texto com o objetivo de controlar ou indexar vocabulário, busca e faceting).
  • Diversas seções oferecem listas selecionadas e organizadas de acordo com as categorias geralmente utilizadas pelos usuários de comunidades especializadas (por exemplo, as normas de transcrição epigráfica de Krummrey-Panciera; as características de papirologia como registradas no APIS ). Estas seções estão em desenvolvimento, e devem ser consideradas informativas em vez de normativas. Sugestões de novas seções deste tipo são bem vindas.
  • Finalmente, as Normas contém apêndices de suporte, tais como glosário de termos técnicos e especializados, e uma bibliografia de autoridades de epigrafia e papirologia, por exemplo o EpiDoc corpora, e, em termos gerais, de publicação de textos antigos. Um índice para as Normas organizado por elemento TEI mencionado permite aos leitores encontrar todas as características epigráficas que recomendam o uso de um dado elemento.

Páginas individuais nas Normas são organizadas por conceito epigráfico ou papirológico, não por nome de elemento TEI. Desta forma, por exemplo, todas as páginas que lidam com abreviaturas estão agrupadas, (sob a rubrica Intervenções Editoriais), independente de quais elementos TEI são especificados. Cada página das Normas tem uma estrutura regular: primeiro, uma breve explicação do título da página (para a página entitulada ‘Caracteres Não Interpretados’, por exemplo, existe uma explicação “Letras claras, mas incompreensíveis”). O elemento (ou elementos) TEI relevante(s) fica(m) exposto(s) em uma caixa logo abaixo, com um link para a página das Normas TEI para aquele elemento. A seguir, há uma explicação textual das recomendações EpiDoc para o uso daquele(s) elemento(s) TEI, incluindo detalhes dos valores e atributos relevantes.

Abaixo desta explicação geralmente aparecem alguns exemplos de contexto de uso. As Normas, especialmente nos casos de elementos de transcrição, listam renderizações convencionais da publicação em questão de acordo com normas papirológicas ou epigráficas, como a Krummrey-Panciera e o Duke Databank.

Os exemplos de XML mostram a marcação recomendada para os diversos tipos de elemento de transcrição, como por exemplo os diferentes casos de expansão de uma abreviatura que inclui um símbolo. Os exemplos muitas vezes listam várias opções de marcação, dependendo do nível de detalhamento desejado. Abaixo dos exemplos aparece uma série de renderizações (ou uma renderização diferente depois de cada exemplo) que representa os diversos outputs disponíveis nos exemplos das folhas de estilo EpiDoc P5. O output padrão é seguir as convenções Krummrey-Panciera. Outros output incluem o estilo SEG, o estilo London e o estilo DDbDP. Abaixo de cada exemplo existe uma referênca que aponta sua fonte. A maior parte dos exemplos é tirada das Inscrições de Aphrodisias, das Inscrições da Tripolitania Romana e do Duke Databank de Documentos em Papiro.

Treinamento, Ferramentas e Suporte

Estas Normas são, em essência, uma fonte de referência. Para treinamento e suporte mais aprofundado pode haver outros recursos disponíveis. Membros da comunidade EpiDoc coordenam escolas de treinamento ocasionais, algumas vezes patrocinadas por projetos de grande porte (como os diversos workshops ministrados surante o Projeto Inscrições de Aphrodisias, 2004-2008); maiores informações a respeito destes eventos de treinamento podem ser encontradas naPágina de Treinamento na EpiDoc Wiki. Aqueles que iniciaram recentemente tanto o EpiDoc quanto codificação de texto também podem achar útil diversas sessões de treinamento em TEI (algumas encontradas na lista de Eventos TEI).

EpiDoc pode ser ampliado e editado através do uso de qualquer ferramenta padrão de XML (diversas delas estão listadas na página Ferramentas de Edição do TEI Wiki);treinamento básico no uso destas ferramentas é geralmente incluído tanto nos eventos de treinamento em EpiDoc quanto nos de TEI, ou qualquer tutorial de XML. Outras ferramentas para publicação, busca ou quaisquer outros arquivos de processamento de EpiDoc e TEI incluem as linguagens de transformação de XML XSLT and XQuery, plataformas genéricas de busca, como Solr e ferramentas open source específicas de TEI como Kiln e o Papyrological Navigator.

Como sempre, o ponto de partida para obter ajuda a respeito de qualquer tópico que não seja coberto por estas normas deve ser a lista de Marcação.

Responsabilidade por esta seção

  1. Gabriel Bodard, autor
  2. Laura Löser, autor
  3. Simona Stoyanova, autor
  4. Charlotte Tupman, autor
  5. Tom Elliott, autor
  6. Assunção Medeiros, traduzido para o Português por

EpiDoc version: 9.2

Date: 2020-10-13